Kakadu National Park e o Northern Territory na Austrália

Kakadu National Park, na Austrália
Kakadu National Park, na Austrália

Desde a primeira vez que vi fotos do Kakadu National Park, fiquei com a ideia de que não poderia deixar a Austrália sem conhecer o lugar. Minha história na terra dos cangurus chegou ao fim em 2017 e eu não tive dúvidas sobre como me despedir: viajar uma semana passando pelo Kakadu National Park, Katherine Gorge (Nitmiluk National Park), pelo Litchfield National Park e um dia em Darwin. Foi a viagem mais selvagem que fiz pela Austrália, e uma das melhores, ficando atrás apenas da Tasmânia.

Peguei um voo de Melbourne até Darwin, por AUD 251 pela Jetstar, voo de quase quatro horas. Lá no próprio aeroporto, aluguei um Mitsubishi Outlander, pela Redspot, por AUD 616, contando seguro e os quilômetros extras que fiz. Esse carro não tem tração nas quatro rodas, o que não me permitiu visitar a Jim Jim Falls, mas é confortável e me levou para a maioria dos lugares que eu queria conhecer. Alugar um carro é fundamental para explorar o Kakadu National Park e fazer o “loop” passando por Katherine, Litchfield e de volta a Darwin.

Ubirr, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Ubirr, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)

A alta temporada acontece no inverno, logo após o período de chuvas. Eu viajei durante a baixa temporada, no final do período de secas. A época da viagem proporciona experiências diferentes, sendo que a alta temporada com paisagens mais frescas, verdes, cachoeiras com água abundante. Em outubro, quando eu visitei a região, alguns lagos estavam praticamente vazios e as quedas d’água por vezes mais parecidas com goteiras, mas nem por isso o Kakadu National Park foi menos impressionante.

Eu fiquei hospedada no Mercure Kakadu Crocodile Hotel, em Jabiru, uma cidadezinha, BEM PEQUENA, que é usada como base para turistas. Como opção de hospedagem no parque, há o Cooinda Lodge Kakadu e um camping perto do billabong Yellow Water. Jabiru conta com um mercadinho, hospital, pub e mais uma ou duas lojinhas, então não deixe para comprar coisas essenciais lá.

Na mala, não esqueça de colocar protetor solar, chapéu, garrafa para carregar água nos passeios, sapatos próprios para trilha e uma rede para proteção contra moscas também é uma boa ideia. Bom, mas vamos ao que interessa: o roteiro! Cheguei em Darwin e dirigi sentido Jabiru, a 253 km do aeroporto.

Kakadu National Park, na Austrália
Kakadu National Park, na Austrália

Kakadu National Park
Saindo do centro de Darwin, a estrada estava praticamente vazia. Dirigi quilômetros sem cruzar com outro carro, ver casas ou pessoas. É uma área bem remota. Minha primeira parada foi em Ubirr, ao norte de Jabiru. Lá, visitei as pinturas e abrigos usados pelos aborígenes no passado e um mirante com vista espetacular para o Kakadu National Park. Foi um ótimo começo de viagem, um aperitivo do que estava por vir. Passei no hotel para relaxar um pouco – faz muito calor nessa época do ano, e é complicado passar o dia todo em trilhas sem uma pausa com ar condicionado.  Depois do almoço, visitei o mirante Mirrai, ao sul de Jubiru.

Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Yellow Water, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)

Minha ex-chefe recomendou o passeio de barco pelo billabong Yellow Water, “você não pode ir ao Kakadu e não fazer”, disse ela. Reservei o tour para o segundo dia, pela manhã, por AUD 90, com direito a café da manhã no Cooinda Lodge Kakadu. E, que café da manhã! O passeio é incrível, tanto pela paisagem, como pela chance de ver a quantidade de crocodilos que habitam a região. O guia nos deu uma aula sobre a fauna e flora australiana, eu adorei! Depois do café da manhã, segui para Nourlangie Rock, outro ponto que marca a história dos aborígenes que viveram ali no passado.

São poucos os lugares onde é permitido e seguro nadar. As piscinas naturais Gunlom estão nessa lista. Você não pode deixar de visitar esse lugar, a 177 km ao sul de Jabiru. Sao várias piscinas naturais no topo de um monte, com vista para a natureza selvagem do Kakadu National Park. Passei horas relaxando nesse paraíso natural. Leve sanduíches ou algo para beliscar, já que não há restaurantes ou mercadinhos no caminho até lá, nem de Gunlom até Pine Creek, mais 100 km de estrada sentido sul.

Gunlom, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Gunlom, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Gunlom, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Gunlom, Kakadu National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)

Katherine e Nitmiluk National Park

Katherine fica a 200 km de Gunlom, e já está fora do Kakadu National Park. A cidade tem supermercados, restaurantes, lojas e toda infraestrutura turística, bem diferente de Jabiru. A principal atração de lá é o Nitmiluk National Park. Reservei duas canoas para explorar o popularmente conhecido como Katherine Gorge. Uma canoa dupla custou AUD 67,50 por pessoa, para quatro horas de passeio. Existem outras opções para conhecer o parque, como cruzeiro operado pelo Nitmiluk Tours, passeio de barco com jantar incluído e voo panorâmico. Alugar canoas é a opção mais em conta e proporciona todo aquele espírito de aventura. O passeio foi ótimo!

Nitmiluk National Park (Katherine Gorge) (Foto: Thaís Sabino)
Nitmiluk National Park (Katherine Gorge) (Foto: Thaís Sabino)

Outra atração de Katherine são as piscinas naturais aquecidas, na própria cidade. A entrada é gratuita e você pode escolher diversos pontos para tomar um banho relaxante, sem risco de crocodilo.

Litchfield National Park

O Litchfield National Park foi o terceiro destino do loop que planejei para minha viagem de despedida da Austrália. De Katherine, são cerca de 250 km até Batchelor, uma cidadezinha próxima ao parque. Fiquei hospedada no Batchelor Holiday Park e se você puder passar a noite em outro lugar, acredito que será melhor. Os banheiros são abertos e se transformam em uma festa de mosquitos no final da tarde e noite. Bom, saí bem cedinho na manhã seguinte rumo ao parque: um paraíso de cachoeiras. Fiz algumas trilhas curtas e passei um longo tempo na cachoeira mais famosa do parque, a Wangi Falls. Que lugar incrível!

Litchfield National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Litchfield National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Litchfield National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)
Litchfield National Park, na Austrália (Foto: Thaís Sabino)

Darwin

Terminei minha viagem em Darwin, uma cidade animada, jovem e bem mais povoada do que eu tinha em mente. A viagem até a capital do Northern Territory durou cerca de 1h30. Em Darwin, visitei o Bicentennial Park, a marina – tem piscina com onda lá – e o parque East Point. Tentei dar um pulo até a praia, mas a visita durou dois minutos: o sol estava muito forte para curtir a vista para o mar. Acredito que dois dias são suficientes para explorar as atrações da cidade. Deixei a Austrália feliz por ter conhecido esse pedaço tao especial e selvagem do país, mas instigada em explorar o oeste australiano: fica para a próxima viagem.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *