Puerto Madryn na Patagônia: lobos-marinhos, baleias e pinguins

Praia em Puerto Madryn

Puerto Madryn foi meu segundo destino nas férias na Argentina. Foi também o que mais me provocou ansiedade. Por que? Praia, natureza, colônias de lobos-marinhos e pinguins, não preciso falar mais nada, certo? Puerto Madryn fica no caminho entre Buenos Aires e Ushuaia, na província de Chubut, é considerada o centro da Patagônia Argentina e porta de entrada para a Península Valdés. Para chegar, peguei um ônibus do Terminal Retiro, em Buenos Aires, até lá, uma viagem de cerca de 18 horas, por R$ 295.

O caminho do trajeto é desértico e pouco há para ver, mas em um momento ou outro avistei animais, casinhas isoladas e vegetação. Vou pular direto para a chegada a Puerto Madryn. Não tínhamos reservas em hostel na cidade, chegamos à rodoviária, pegamos as malas e começamos a circular em busca de hospedagem. Depois de uma viagem de quase 20 horas, chegar e carregar malas atrás de um endereço desconhecido não agrega nada à viagem, recomendo reservar antes.

Acabamos no Hostel El Gualicho, a seis quadras do terminal, na rua Marcos A. Zar, 480. Pegamos o quarto misto compartilhado, por 100 pesos argentinos por noite para cada um. O hostel tem uma área verde com redes e mesinhas, sala de TV, computadores, banheiros arrumadinhos e uma cozinha equipada. Só o café da manhã que deixa a desejar: café, leite, iogurte e pão com manteiga.  A localização do hostel é ótima: na rua de uma lanchonete com empadas deliciosas, do cachorro quente triplo e quádruplo e a duas quadras da praia.

No primeiro dia, fomos caminhar à beira mar. A paisagem é mesmo linda, mas se tem um lugar que venta, é Puerto Madryn, é quase impossível ficar sem óculos. Passamos o dia admirando o mar azul. À noite, fomos a um supermercado a três quadras do hostel, compramos ingredientes e preparamos o “almojanta”. Passamos a noite no hostel conversando com uma colega francesa e um trio argentino, tomando vinho e tocando violão.

No segundo dia, alugamos uma bicicleta no próprio hostel para ir até Punta Loma, a 14 quilômetros dali, de onde é possível admirar uma colônia de lobos-marinhos. Nos falaram que era possível chegar pedalando, apesar de o trajeto ser cansativo, só não avisaram que a estrada era de terra com pedras, o que dificulta – e muito – pedalar. Descobrimos na “raça”, como diriam algumas pessoas. Nosso primeiro erro: não se informar direito sobre o trajeto. Segundo: não levar água. Terceiro: esquecer o protetor labial.Estrada para Punta Loma

Parecia que estávamos no meio do nada, uma estrada em que era impossível se enxergar o fim, acostamentos cobertos de vegetação e o único sinal de vida eram as excursões que passavam em alta velocidade de nos faziam comer poeira. Mas, apesar de todos os fatores adversos, seguimos ao nosso destino. Pedalamos, sentamos à beira da estrada, empurramos a bicicleta, tentamos caminho alternativo pela praia, atravessamos matagais e nos perdemos. Só na volta que descobrimos que na região existem escorpiões e uma aranha com picada mortal, mas tudo bem.

Como eu mencionei há alguns parágrafos, em Puerto Madryn venta muito. A combinação de vento, sol, sede e cansaço não poderia deixar de secar e assar a boca. Ficamos com os lábios cobertos por uma casquinha preta nos dias seguintes, qualquer sorriso era dolorido. Bom, mas continuando na estrada, acho que levamos quase duas horas para chegar até o local. É claro que ver a entrada do parque foi momento de comemoração. Tomamos água da torneira e o guarda nos ajudou com uma garrafa pet para levar água no caminho de volta.

A vista de Punta Loma é incrível! Apesar de os lobos-marinhos ficarem distantes, é possível vê-los dormirem, brincarem, nadarem e ouvir os barulhos que eles emitem. Tiramos fotos, olhamos pelo “mirador” e descansamos por quase uma hora. Além de banheiros e uma guarita, em Punta Loma não há qualquer estrutura turística, como restaurantes e lanchonetes. Quando se sabe o quanto falta para chegar, mesmo que o trajeto seja longo, o ânimo é maior. De volta à estrada, pedalamos por mais de uma hora até que o pneu da minha bicicleta furou.Punta Loma

Além da bicicleta, o hostel nos entregou uma bolsa com câmara reserva e uma bomba. Mas tudo ficaria muito fácil se ela funcionasse. Pois é, não conseguimos encher a nova câmara e, com o pneu furado, continuamos o caminho até chegar de volta à cidade. Já era final de tarde quando avistamos as ruas asfaltadas. Conclusão: economizamos um bom dinheiro, vivemos uma aventura, mas ficamos com o corpo todo moído. Passamos em um mercadinho, compramos uma massa para cozinhar e bebidas. À noite foi nas redes do hostel, com direito a bate-papo e música argentina.522755_3992225813048_1234760849_n

O hostel El Gualicho oferece vários passeios aos hóspedes, entre eles, um para Península Váldes, passando por Puerto Pirâmides, com observação de baleias, pinguins e muita natureza. O passeio é guiado, dura o dia inteiro e vale a pena. Saímos em um micro-ônibus e a primeira informação do guia turístico foi de que Puert Madryn vive praticamente do turismo. A primeira parada foi em Puerto Pirâmides, um lugar de tirar o fôlego.

É um pequeno vilarejo de 300 pessoas à beira mar, cercado por formações rochosas encantadoras. Uma dica: leve casaco, pois o vento é bastante frio. Puerto Piramides está na lista dos locais que mais gostei de visitar. Das pedras, conseguimos ver baleias que esguicham água e fazem saltos de exibição aos turistas. A recomendação do hostel é para cada um levar sua própria comida. Um aviso importante: todo e qualquer lixo do visitante deve ser levado embora por ele.205178_3992228413113_2085072627_n

Um acidente geográfico, formado por uma larga língua do mar que volta para a península, formando um estuário de mais de 20 quilômetros, a Caleta Váldes, foi a segunda parada. Vimos elefantes-marinhos, lobos-marinhos e pinguins. Por último, visitamos Punta Delgada, onde tem um grande farol, a mais de 100 metros de altura, e proporciona vista aos animais. O passeio foi realmente incrível. Para visitar a Penísula, tive que abrir mão de nadar com os lobos-marinhos, que custava cerca de R$ 400.149758_3992230333161_612298422_n

À noite, compramos uma porção de empanadas deliciosas – depois de ver um casal comendo no hostel. Nunca comi empanadas tão gostosas e bem feitas. No dia seguinte, o cansaço bateu. Pretendíamos ir até a El Doradillo de bicicleta, mas faltou coragem. Caminhamos pela cidade, fomos até a grande ponte da cidade, bisbilhotamos algumas lojinhas e passamos a tarde descansando para seguir viagem no dia seguinte até o “fim do mundo”.

5 thoughts on “Puerto Madryn na Patagônia: lobos-marinhos, baleias e pinguins

  1. Olá. Pretendo estar em P Madryn este ano. Você tem alguma dica de onde trocar o $$ e uma maneira mais em conta para chargar até o ushuaia? Ouvi falar un negócio de passagem por trecho ex, sao > trelew > ushu > sao – só não sei como fazer..rs. Você foi de Busão? Um abraço. Agradeço as informações.

    1. Olá, tudo bem

      Quando eu fui, fiz os trecho de ônibus. Peguei um de Buenos Aires até Puerto Madryn saindo de Buenos Aires e paguei R$ 575 para duas pessoas. A viagem é longa mas tranquila. Vou te mandar o roteirinho que fiz na época, quem sabe te ajuda.

      PUERTO MADRYN – PROGRAMAÇÃO

      Dia 25/11 – Domingo

      Embarque Terminal Retiro às 19h

      Chegada em Puerto Madryn: 13h30 (26/11)

      Andesmar

      Hostel Hi Patagonia – Av. Roca 1040 – R$ 135

      El Gualicho – Marcos A. Zar 480  – R$ 125

      La tosca – Camarinera – Sarmiento, 437 – R$ 105

      Preços por noite com café da manhã para casal

       

       

      PUERTO MADRYN – PROGRAMAÇÃO

      Dia 26/11 – Segunda

      – Almoço no Ecocentro e observação da paisagem

      (Julio Verne 3784)

      – Curtir as praias

      PUERTO MADRYN – PROGRAMAÇÃO

      Dia 27/11 – Terça

      – Snorkel com lobos marinhos em Punta Loma

      Auqatours Buceo – Av. Roca 550 – Tel: +54 (0280)-

      4451954 – info@aquatours.com.ar

      http://www.aquatours.com.ar/

      Preço: 400 pesos (segundo Mochileiros.com)

      – Tarde e noite livres

      PUERTO MADRYN – PROGRAMAÇÃO

      Dia 28/11 – Quarta

      – PENÍNSULA VALDÉS (acordar cedo):

      – Istmo Ameghino (faixa estreita de terra que une

      Pto. Madryn a Valdés)

      – Isla de los Pajaros

      – Punta Piramide (tem restaurantes para almoçar)

      – Mirador de Punta Delgada

      – Caleta Valdes

      – Punta Norte)

      – Noite: PUB Mr. Jones – rua 9 de Julio, 116

      PUERTO MADRYN – PROGRAMAÇÃO

      Dia 29/11 – Quinta

      – Passear de bike até a praia El Doradillo

      – Tarde e noite livres

    2. Para chegar a Ushuaia, saindo de Puerto Madryn, peguei dois ônibus. Um até Rio Gallegos e outro até Ushuaia. Viagem longa, hehe. A volta até Buenos Aires fiz de avião, pela Aerolíneas. Alguns hostels fazem tours até Ushuaia, vale você dar uma olhada. Lembro que o Obelisco (em Buenos Aires) tinha passeios do tipo.

      Vou te mandar o roteirinho que fiz na época:

      Dia 30/11 – sexta
      Embarque para Rio Gallegos às 17h10 no Pto. Madryn

      Chegada ao destino: 10h20 do dia 1/12

      RIO GALLEGOS – PROGRAMAÇÃO

      Dia de descanso

      – Embarque para Ushuaia às 8h30

      USHUAIA – PROGRAMAÇÃO

      Dia 2/12 – domingo
      Embarque para Ushuaia às 8h30
      Preço: R$ 185 pela Tecni Austral
      Chegada ao destino: 17h30

      Hospedagem:
      Los Cormoranes
      Los Lupinos
      Refugio dos mochileiros

      USHUAIA – PROGRAMAÇÃO

      Dia 3/12- segunda

      – Trem do fim do mundo
      – Parque Nacional Tierra del fuego

      Dia 4/12 – terça

      – Passeio pelo Canal Beagle
      (ir até Píer Muelle Turístico)

      Dia 5/12 – quarta

      – Museo Marítimo
      – Presídio de Ushuaia
      – Museo del Fin del Mundo

  2. Belíssima matéria sobre esse lugar em que a vida selvagem é abundante!!
    Estive nesse paraíso a tempo atrás e pude testemunhar todo esse encanto de ver animais extraordinários tão de perto! Fiquei com o sonho de retornar algum dia para aproveitar melhor!! Gostaria de compartilhar um video das baleias em puerto madryn que tive a felicidade de filmar de um Drone a partir da praia.
    https://youtu.be/VFPxTMdJSd4

    1. Que máximo Fabrício! Eu tbm adorei Puerto Madryn e espero voltar também para conhecer ainda mais. A energia do lugar em si já é ótima! Você foi para Ushuaia também? Bjs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *